Ação de psicólogos muda o cenário de trabalho infantil na PB

A atividade de crianças e adolescentes em lixões é prejudicial física e psiquicamente, uma vez que o ambiente inadequado e insalubre afeta diretamente o desenvolvimento dos jovens.

Trabalho infantil desse tipo ocorre em todo Brasil, mas, em Campina Grande, no agreste paraibano, o cenário mudou graças ao trabalho de psicólogos da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). O local foi fechado em 2011 e recebia cerca de 370 toneladas de resíduos sólidos por dia.

O trabalho “Construindo Parcerias para Erradicação do Trabalho Precoce: Conexões entre a Universidade e o Lixão de Campina Grande” será um dos 5 mil trabalhos apresentados durante a 2ª Mostra Nacional de Práticas em Psicologia, que acontece entre os dias 20 e 22 de setembro, no Anhembi, em São Paulo.

O trabalho dos psicólogos envolveu orientações nos lixões para que as crianças voltassem para a escola e tivessem um desenvolvimento pleno. “A atividade das crianças era insalubre, complicada, envolvia também lixos hospitalares”, ressalta Vanessa Cavalcante, estudante do 8º semestre de Psicologia da UEPB, responsável por apresentar o trabalho na 2ª Mostra.

O diálogo psicológico com os pais explicava a existência de políticas públicas, como o Programa de Erradicação do Trabalho Infantil (PETI), que atua na transferência direta de renda a famílias com crianças ou adolescentes em situação de trabalho. “Eles precisavam saber que existem ações que fortalecem a permanência da criança na escola e incentivam atividades esportivas, não o trabalho”, diz Vanessa.

Pelo fim do lixão

A atividade do professor Edil Silva e alunos do Departamento de Psicologia da UEPB começou em 2010, com objetivo de erradicar o trabalho infantil no, agora extinto, lixão de Campina Grande. As ações envolveram parcerias com escola municipal, entidades de saúde, trabalho e emprego, serviço social e conselhos tutelares. A intervenção envolveu, ainda, mães de crianças e adolescentes que prestavam serviços no local.

Para fortalecer as ações do trabalho, a UEPB viabilizou o ‘Seminário sobre Trabalho Precoce no Lixão: Discutindo Políticas Públicas e Ações de Enfrentamento’, em setembro de 2011. O evento ajudou na mobilização para acabar com o antigo lixão.

Após o fechamento da área, as famílias têm buscado outros métodos de sobrevivência, o principal deles é a catação de resíduos sólidos nas cidades. “Nossa expectativa é que, após esse trabalho, as instituições continuem acreditando no projeto e concretizem ainda mais propostas”, projeta Vanessa.

 

 

Fonte: Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: